Poesia: Eu não pertenço a lugar nenhum

Eu não pertenço a lugar nenhum. Sou de todos os cantos, de muitos rumos, diversas direções.
Sou folha, sou vento, sou brisa, sou onda, sou tudo, sou nada.
Derramo e transbordo tentando descobrir o que a vida quer de mim. Por isso eu tento.
Onde me jogar estou caindo, andando, subindo… tentando e jamais desistindo.
sair por aí me faz ri, olhar ao redor, me divertir, refletir,
repetir o velho, conhecer o novo, as experiências que são todas degustações, algumas com fragrâncias, que se passam como estações.
Muitas são quentes como verões, outras floridas como primaveras, algumas se renovam como outonos e outras solitárias como invernos.
Outras surgem como notas musicais, de sons que repito infindavelmente.
Prolongando cada sensação como se fosse a última de um tântrico.
Eu sou solta, livre, não paro. Porque o que eu quero é voar.

Poesia de Alessandra Martins/ Fotografia de Seamus O’Brien
20170421_033405

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s