Poesia: Minimalismo

Cansei de me guardar
pra mim.

Se pareço complicada,
decifra-me.

Tente, se aprofunde,
resolva, me envolva.

Invada com poesia,
com pintura,
com canção.

Sem excesso.
Moderação.

Chego no limite
do prazer,
da doçura,
do amargo,
da paixão.

Sou em mim!

Eu sou o que
eu escrevo – imperfeição.
De alma esplêndida                        e coração chorão.
Emoções maravilhosas,
parecem combustão.

Sinto, sinto, sinto.

Sinto muito.

Perdão

Agora, não quero mais
guardar.

Preciso dividir, dar.
Doar.

Sempre sobra.
É egoísmo, me cobra.

Hipérbole em tudo,
nunca eufemismo.

No caminho;

beleza

leveza

pureza.

Encontrei comigo
mesma.

Minimalismo.

Equilíbrio.

Intimismo.

Paz, saber,
vida, liberdade.

Simplicidade .

Poesia por Alessandra Martins

images (22)
Foto retirada do site http://m.ultracurioso.com.br/20-incriveis-fotos-para-quem-adora-o-minimalismo/

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s