O Rio de Janeiro – perdeu a maravilhaūü§≠

Oi, gente!

Hoje vou falar do Rio de Janeiro, um lugar famoso, legal, bonito, descolado, quem ainda não conhece, e tem vontade de conhecer que seja hiper bem-vindo, mas, traga um colete à prova de balas. ( brinks)

Saiba que de todas cita√ß√Ķes que fa√ßo do Rio, voce pode anotar e pegar o positivo para conhecer, pois deixarei¬† sublinhado.

Porém a postagem é mais um desabafo. Sei que diversos estados do Brasil tem suas dificuldades, mas hoje, abordarei o Rio de Janeiro, na gringa sou considerada carioca, mas então, na realidade sou é fluminense, entretanto, este é um Estado no qual tenho propriedade para falar, pois nasci neste lugar.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Quando crian√ßa , eu amava o Rio de Janeiro, fantasiava quase como se fosse O Fant√°stico Mundo de Bob, talvez por conhecer o Rio dos cart√Ķes postais somente pela televis√£o, era como se eu morasse em outro estado, mas era apenas outro munic√≠pio.

S√£o cerca de 28 km, aproximadamente,¬† Uma hora sem tr√Ęnsito ‚Äď o que √© quase imposs√≠vel.

A primeira vez que fui à praia estava com minha mãe que foi resolver algo no bairro de Botafogo, Zona Sul do Rio, assim resolveu nos levar( eu e meus irmãos) para conhecer a praia.

Eu devia ter uns 8 anos. Era a¬†praia do Flamengo , que fica ao lado da¬†praia de Botafogo, a¬†espl√™ndida enseada¬†‚Äď que por sinal tem uma vista magn√≠fica do¬†Morro da Urca, por√©m, inapropriada para banho.

0117A005-BDFB-41CA-9C40-1257A5E80EFD.jpeg
arquivo pessoal

Depois passei ir diversas vezes com a ex esposa de um tio à praia de Ipanema . Frequentemente, eu a acompanhava  junto meu irmão mais velho e meus dois primos.
Achava aquilo incrível, só em sentir o cheiro da maresia meu coração disparava, quando sentia o cheiro do protetor solar, e via aquele sol escaldante quase fritando um ovo no asfalto, me sentia muito feliz e viva, não podia imaginar lugar melhor no mundo.

A gente sa√≠a bem cedo de casa, por volta de umas 7horas da manh√£, para aproveitar bem o dia, meu falecido primo levava uma boia gigante e enchia no posto de gasolina, no Arpoador, e depois √≠amos andando at√© o¬†posto 9. Point carioca da praia ‚Äď j√° naquela √©poca.

Fui crescendo e meu amor pelo Rio de Janeiro também. Até que ao completar 17 anos, fui à praia, digamos, que sozinha, pois não tinha nenhum responsável, e sim uma prima da mesma idade.

Ipanema  tinha um lugar especial no meu coração. Achava tudo perfeito. Corpos sarados e sorrisos talhados Рsó flerte, como cantava Cidade Negra, na musica Solteiro do Rio de Janeiro.

img_1304
arquivo pessoal
img_1306
arquivo pessoal
img_1307
arquivo pessoal

Daquele momento em diante passei a ser uma ‚Äúrata de praia‚ÄĚ, ia √† praia quase todos os dias, vivia bronzeada, com marquinha de biqu√≠ni, estava sempre negociando um desconto no biscoito O Globo e no Mate Le√£o, conhecia muitos artes√£os, os barraqueiros do posto 9, e estava sempre para¬†aplaudir o sol no Arpoador ¬†no fim do dia.

A noite ia √°¬†Lapa, muitas vezes ficava na rua¬†Joaquim Silva, onde rolava reggae, e eu esbarrava com os mesmos artes√£os da praia e outras vezes na Escadaria Selaron .¬†Lugares fechados era o¬†Circo Voador ,¬†Fundi√ß√£o Progresso e¬†Vivo Rio¬†para shows, o¬†Rio Scenarium , o¬†Sacril√©gio e o¬†Carioca da Gema¬†para dan√ßar m√ļsica brasileira, barzinhos adjacentes e boates do centro e Zona Sul.
Eu amava o Rio, e me sentia a pr√≥pria Garota de Ipanema ao caminhar pela orla.ūüėÄ

Comentava com amigos que tinha uma preguiça enorme de andar por D.Caxias, mas na Zona Sul andava quase do Leme ao Pontal.

Ipanema era onde eu sempre queria estar e estive por um bom tempo, passei a trabalhar e até morar na Zona Sul. Trabalhei em Botafogo, Copacabana, morei e trabalhei no Leblon.

arquivo pessoal

Demorou, mas meu encanto pelo Rio de Janeiro chegara ao fim. E descobri que tudo que via no Rio n√£o passava de ilus√£o. √Č tipo aquele lance de paix√£o, quando voc√™ se apaixona n√£o v√™ defeito, ent√£o, era eu com o Rio de Janeiro.
Vivia deslumbrada com a Zona Sul, passando a não suportar até mesmo minha cidade de nascimento, Duque de Caxias.

Hoje em dia eu amo dizer que sou de Duque de Caxias e aprendi a amar meu lugar de nascimento, pois nada como você reconhecer suas raizes e tentar fazer a diferença naquele pequeno espaço em torno de você.

Sim, o Rio de Janeiro tem paisagens muito bonitas,  que inclusive, vão além da Zona Sul, Petrópolis , Região dos Lagos, Cachoeiras de Guapimirim e Trilhas de Xerém , Pedra do Telégrafo, Pontal.

Na Zona Sul tem a Pedra Bonita , onde a galera faz trilha e solta de parapente e asa-delta, inclusive, já saltei.

7E417AD1-71F6-4528-BF73-B87C758AC533
arquivo pessoal

O¬†P√£o de A√ß√ļcar ,¬†Corcovado,Pedra da G√°vea ,¬†Floresta da Tijuca,¬†Morro dos Irm√£os , entre outros- s√£o as belezas naturais t√£o grandiosas quanto aos problemas que o estado enfrenta diariamente.

Como cantava Caetano Veloso ‚ÄúCidade Maravilhosa , cheia de encantos mil.” Se referindo a¬†Zona Sul, √© √≥bvio.

Hoje muitos ainda postam fotos no instagram e Facebook com esta frase e realmente acreditam nisso.

Afinal, maravilhosa para quem? Para de ca√ī e manda o papo reto, maravilhosa sou eu, minha m√£e, minha av√≥ que saiu de Minas Gerais para trabalhar em casa de fam√≠lia na d√©cada de 50, sem saber ler, conseguiu criar e educar 15 filhos, mesmo sofrendo com meu av√ī.

Ela é maravilhosa por ser uma sobrevivente deste sistema patriarcal, machista e racista.

Porque o Rio de Janeiro perdeu a maravilha, pois s√≥ deve ser maravilhosa para quem mora em um apartamento na¬†Delfim Moreira ¬†e adjac√™ncias, que s√≥ atravessa o T√ļnel para desfilar em alguma Escola de Samba no Carnaval ou para ir ao¬†Aeroporto Internacional – Gale√£o, pois vive mais fora do Brasil do que no Rio de Janeiro.

Pode até ser maravilhosa para algum turista desavisado, para aquele estrangeiro que está de passagem, aproveitando o melhor, e não tem tempo para conhecer a realidade a fundo.

Hoje, vejo diversas pessoas reclamando do Rio de Janeiro, dizendo que tem vontade de deixar a cidade, mas em sua grande maioria a elite carioca , que teme a violência que nem os atinge tanto como as classes baixas, ou seja, os pobres.

Enquanto outros defendem com unhas e dentes, dizendo que o Rio de Janeiro é um Cidade Maravilhosa mesmo Рlugar mais bonito não há.

A cidade pode realmente ser bonita, mas está longe de ser maravilhosa como pintam até hoje. Eu particularmente, acho o nordeste mais bonito.

No mínimo esses defensores do Rio de Janeiro, nunca saíram do Rio ou devem amar as novelas de Manoel Carlos, pois as novelas que continuam a pintar essa ilusão de Cidade Maravilhosa, que quem está em outro estado e outro país chega até acreditar.

Porem não é nenhuma novidade que a Rede Globo direciona a forma de pensar da população, seja em novelas, seja em noticiários.

No Rio de dia, de noite, de madrugada, infelizmente, as pessoas vivem com medo de n√£o mais voltar para casa, pois frequente roubos, muitas vezes seguidos de morte, balas perdidas que atingem at√© mesmo o beb√™ antes de nascer, roubos de dinheiro p√ļblico por governadores que se tornam bilion√°rios em quatro anos, e a esposa¬† tamb√©m participante no crime, volta para sua¬† linda vista do Leblon( enquanto cumpre pena), obras super- faturadas, profissionais que deveriam proteger, mas atacam cidad√£os s√≥ por conta da cor de pele.

Atualmente, estou vivendo na Irlanda, mas fico muito preocupada com meus familiares e amigos, que moram nesse estado abandonado. A Europa não é nenhum paraíso, mas pelo menos você consegue ter qualidade de vida.

Você anda às 3 da madrugada sozinha e não se sente tão vulnerável como o Rio de janeiro às 3 da tarde.

Moradores de favelas sendo levados a acreditar que morar na favela é espetacular. Não, não é! Outro dia fiquei dois dias na casa de um amiga na Favela da Mangueira , e não consegui dormir, pois era um som alto até o dia amanhecer. E não era nem baile, era um carro parado na rua, ou seja, empatia zero.

Um lugar onde ainda hoje h√° aus√™ncia de estrutura, de respeito, de vida digna. √Č uma fal√°cia falar que √© bom morar na favela, fa√ßo trabalho social na comunidade de Jardim Gramacho e muitas vezes, saio de l√° chorando, pois as pessoas s√£o esquecidas, s√£o quase que invis√≠veis na sociedade.

arquivo pessoal

Muitos que fazem parte do sistema continuam ganhando com a dor do “favelado”.

Escrevi um poema recentemente em resposta a essa estigmatização que gira em torno do corpo negro, que em sua grande maioria vive sem oportunidade.

Na Linha Vermelha e Amarela a certeza de que a favela n√£o √© ingerida, pois temos os pared√Ķes que o prefeito Eduardinho Paes, na √©poca de seu mandato, instalou para esconder a favela dos estrangeiros que aterrizam. E do outro lado a constru√ß√£o de uma ponte que o trabalho arquitet√īnico parece mais uma perna para o ar. Tudo indica que esse prefeito debochado, junto com o enervante do Ex governador S√©rgio Cabral fizeram uma piada ao construir a ponte.

Welcome para o estado que vive de pernas para o ar.

Foto reproduzida do Wikipedia

Quando constru√≠ram esses muros com pinturas escolares, a primeira coisa que pensei, alguns conhecidos defenderam, alegando que realmente era um perigo passar na Linha Vermelha, e os pared√Ķes trariam uma certa seguran√ßa.

foto reproduzida da internet

√Č muita inoc√™ncia acreditar nisso, ou melhor, ignor√Ęncia mesmo, pois os maiores bandidos est√£o de palet√≥ e gravata e eles n√£o atravessam a pulam na vermelha para assaltar ningu√©m, eles fazem isso das salas com ar-condicionado.

Infelizmente moradores não tem escolhas, como é o caso do Jardim Gramacho, onde pessoas vivem em situação  de extrema pobreza.

Pode at√© ser bom passar um tempo em algumas favelas da zona sul que passaram pelo processo de gentrifica√ß√£o, principalmente, Vidigal – a “favela cool do Rio.”

Vidigal é aquela favela que tem uma vista maravilhosa, onde modelos e atores em ascensão moram, mas além deles, muitos estrangeiros que tem grana para bancar um aluguel exorbitante.

Enquanto o assalariado está cada vez mais difícil se manter em um lugar caríssimo como o Rio.

Sub√ļrbio e Baixada com disparidades alarmantes, pessoas sobrevivem e¬† tendem a acreditar que vivem, todos os dias tendo que viajar 4 horas para chegar no trabalho, j√° vivi muito isso, e s√≥ Deus e minha fam√≠lia sabe “o quanto caminhei para chegar at√© aqui, percorri milhas e milhas, antes de dormir, eu n√£o cochilei” – A estrada.

A vida do carioca periférico é assim, ainda chega no fim do mês para receber um salário que acaba antes que termine o mês.

Essa visão de que o Rio é o  mais belo e melhor lugar do mundo é uma tremenda mentira, ilusão de muitos que ainda vivem a cegueira da paixão.

Acreditam que vivem bem, só porque tem diversas praias( poluídas), e chega fim de semana e tomam aquela geladinha ao som de Wesley Safadão, ou porque vivem apreensivos a espera de fevereiro quando pulam carnaval por uma semana, ou àquela ansiedade para assistir Flamengo e Vasco na tv, pois nem para o Maracanã dá mais para arriscar.

O Rio de Janeiro da Bossa Nova é aprazível, Garota de Ipanema e Wave são bastantes poéticos e nos leva a fantasiar a perfeição.

Rebolar ao som de funk, sambar no samb√≥dromo, aplaudir o p√īr do sol no Arpoador, comer biscoito o Globo, beber Mate, cervejinha e √°gua de coco √© bom, mas qualidade de vida n√£o se resume a isso.

Viver vai além. A vida vale mais que ter essas experiências em uma cidade que está sempre de braços abertos, entretanto, também prestes a explodir.

Não conheço pessoalmente muitos estados no Brasil, mas é claro que sei dos problemas com violência, corrupção e desigualdade aflingindo  todos estados brasileiros, porém nenhum deles vive na bolha de que a Cidade é Maravilhosa.

Portanto talvez alguém diga que tenho complexo de vira-lata, e me expulse do meu lindo Rio de Janeiro, e até mesmo do meu belo, forte, impávido colosso país, porém, só quero estourar esta bolha e jogar por terra uma vez por  este  mito.

Lembrando, que faz um bom tempo que perdi o encanto pelo Rio, mas ainda gosto deste estado, pois hoje, vejo que Rio de Janeiro não se resume só a maquiagem que é a Zona Sul, porém o Rio de Janeiro está  longe de ser uma Cidade Maravilhosa.

Sempre fui uma pessoa bem otimista e sonhadora, assim, ainda sonho com dias melhores, mesmo que pareça uma quimera, prefiro acreditar que tudo vai dá pé.

Inspirado no texto A vida é muito curta para morar no Rio de Janeiro.

Deixe um coment√°rio

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s