Poema: Monalisa

Oi, gente querida!

Hoje compartilho mais uma poesia com vocês. Espero que gostem. 🧝🏾‍♀️

Monalisa

Como é linda, tão acessa.

É a “Ville Lumière”.

Fiquei exposta. Fiquei exposta lá. Estendida, aberta, esfumada, vazia.

Todos me viam, comiam, consumiam, muitos olhavam, mas não me entendiam. Outros fotografavam, gravavam o momento, mas não me sentiam. E eu? Eu só ria. Também tocava, era estudada, significava, dizia.

Sorria! Era o que o namorado falava para a namorada parada de costas para mim.. O professor me explicava, o curador me cuidava, O aluno me fitava, imergia.

Eu via e vejo mares de gente todos os dias. Eu também chorava, mas poucos percebiam, eu gritava, mas minha voz não saía, lamentava pela exibição que nunca padecia. Fui esfregada e posta naquela tela fria, sem moldura. Para que? Qual é o sentido? Sou natureza, sou vida, sou criação, mas não existe perfeição!

Renasci, brinquei com as cores, briguei com as crenças, apareci nas sombras, vivo e vivi. Eu não descanso e nunca morri.

Estou presa a um destino insosso.

Me apaga, Da Vinci!

Cansei, quero voltar a ser esboço.

Monalisa por Alessandra Martins

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s