Coco – Viva: A vida é uma Festa

A primeira vez que ouvi sobre o filme "Coco", realmente pensei que tivesse alguma conexão com a Gabrielle Bonheur, a famosa Coco Channel. Depois descobri que era uma animação, logo imaginei que fosse "boring", acabei não indo ao cinema, por eu ter um certo preconceito com filmes em animação - de achar que são filmes … Continue lendo Coco – Viva: A vida é uma Festa

Dia de libertação da África

Oi, gente! Essa foi uma semana bastante especial para mim e creio que a todos que dão importância a esta conquista. No dia 25 de maio é celebrado o dia da África, ou melhor, dia de libertação da África, pois como já sabemos, a África, o berço da humanidade, foi um continente de grandes descobertas. … Continue lendo Dia de libertação da África

Sawabona pra você!

A tribo acredita que todo ser humano nasce merecedor de amor, paz, perdão e felicidade. Acredita que nascemos bons, mas se durante a vida o ser humano cometer erros, estes erros são apenas gritos de desespero por ajuda. Ou seja, fazem uma roda e durante dois dias fazem a saudação Sawabona Shikoba.

Rock in Rio

Steven Tyler(divo e boa onda) com uma energia hiper contagiante fez com que o show se tornasse mais que especial. O "velhinho" na beira dos seus 70 anos pulava e cantava tanto que todo o Rock in Rio foi envolvido. Até chorei quando ele cantou Crazy.

18ª Bienal Internacional do Livro Rio

Estive na edição como autora, pois em 2012 participei de uma publicação coletiva de poesias e nesse ano estarei no livro mulheres reais, segunda edição. Um livro de poesias e crônicas que faz encontros de mulheres com  enredos diversos, mas que no final todas se encontram como retalhos de um tecido.

Brasil é o 5º país no mundo que mais mata mulheres😞

O feminicídio lamentavelmente existe desde sempre. Com assim existe desde sempre, Alessandra? Existe desde sempre porque vivemos em uma sociedade patriarcal em que a mulher sempre foi vista como um ser inferior, dando margem para o homem objetificá-la e obter um sentimento de "posse" em diversas comunidades. E por fazermos parte de uma sociedade machista, matar mulheres sempre foi algo justificável e banal.