Você é o que importa

Aposte todas as fichas em você. Seja seu número, seu melhor amuleto, sua cor, sua canção, sua lembrança, sua companhia, sua roupa preferida. Se vista de você diariamente, e se você enjoar, se recrie, se transforme, só seja você mesmo. Mude o cabelo, mude o batom, mas não mude a essência. Se afaste do que … Continue lendo Você é o que importa

Segue o baile

Não devemos nos sentir culpados porque o outro foi injusto, porque o outro mentiu, porque o outro não nos quis, porque o outro não nos ama, porque o outro não vai com a nossa cara, porque o outro nos olha torto, porque o outro é grosseiro, porque o outro não nos entende, porque o outro … Continue lendo Segue o baile

Obra- prima

Oi, gente querida! Hoje trago uma reflexão para todos nós. É sobre nossa vida e o que consideramos realmente importante. Intitulei de " Obra-prima". Espero que gostem. Você precisa seguir o que te faz feliz, sorrir, suspirar e não o que deixa sua cabeça uma pilha, seu corpo exausto, seu humor ácido. A estrada nem … Continue lendo Obra- prima

Poema: Flama

Oi, gente! Saudades 😭 Hoje irei compartilhar uma poesia de desejo, de paixão, de amizade com beijo. Se chama Flama. Homem com sorriso de menino. Sua pele, seu jeito, sua voz, prosa. Tudo, me causa fascínio. Seu olhar, sua boca, seu toque, tanto faz Me deixa sem forças, malemolente, paralisada, sempre pedindo mais. Chegou como … Continue lendo Poema: Flama

Revista Gueto_Direitos Humanos e Minorias

A Revista Gueto nesta edição especial reuniu 17 poetas em poesia e 17 autores em prosa. Portanto para nossa alegria, eu estou entre eles. Sinto-me lisonjeada em estar sendo publicada em mais uma revista. E uma revista de tanto prestígio como a Revista Gueto.

Poesia: Dance

Dance... Venha como vier, fique como puder, perto de quem quiser. Dance mesmo se não souber. O ritmo é seu... Não se acanhe, apenas dance. Dance, dance, dance!

Poema: Sem rótulos

Longboard, vida, liberdade. É preciso equilibrar. Se vejo que vou cair, pulo, mas se caio, sorrio ao levantar. Gente lerda ou muito lenta consegue me irritar, gosto de aprender, admiro o saber, não gosto muito de procurar, mas já me perdi várias vezes, somente para me achar.

Poema: Palavras

As palavras são soltas. Elas vão, elas vem, podem doer, machucar, podem alegrar, consolar, podem atingir a um ou dois - sempre vão chegar em alguém, em algum lugar. Elas ferem e interferem. Palavras.

Poema: Queremos viver

Há necessidade de rever valores e conceitos. Sair do quadrado, abrir a mente, rasga o peito! Continuar a estereotipar é absurdo, desrespeito. Desrespeito por toda luta, por toda dor. E o holocausto preto continua acontecer com fervor.

A extrema pobreza no Jardim Gramacho

Mesmo a população de Jardim Gramacho sendo muito pobre, antes, as pessoas tinham uma fonte de renda. Agora, depois que o Aterro foi supostamente desativado,  não mais. O lixo continua sendo despejado no local de maneira clandestina e famílias vivem em situações de extrema pobreza. Não tendo condições nem de comprar alimentos, moram em meio ao lixo em situação totalmente insalubre. Onde 91% das casas tem paredes de madeira, 63% dos pisos são de terra batida, 77% das casas entra água pelo telhado quando chove, 93% das casas tem instalações irregulares elétricas, 74% das casas nem sequer tem água encanada e 26% nem banheiro tem. Devido as condições precárias, famílias vivem com doações de pessoas que se sensibilizam com a situação.

Poema: Refém

Todo esse tempo me mantiveram refém. Refém do medo, das opiniões. Refém dos estereótipos, dos estigmas, das generalizações. Sistema! Nada evoluiu, recessão.

Poema: Mil duzentos e vinte

São Tantos livros não lidos. São tantas músicas não ouvidas. São tantos olhares trocados. São tantos medos, desejos não queridos. Tantas palavras não ditas. Tantas escolhas não decididas. Amores acabados, mas sem despedidas. Atitudes tomadas, mas arrependidas. São horas e dias. São tempos perdidos. São tantos poemas guardados. São tantos abraços não dados. Quantos perdões, … Continue lendo Poema: Mil duzentos e vinte